Gerenciar projetos é fundamental para que os resultados buscados sejam os melhores possíveis, evitando o desperdícios de recursos. Por isso, é essencial que haja um responsável que coordene o andamento do projeto.

Mas como vou gerenciar projetos com eficiência?

Existem diversas metodologias de gerenciamento de projetos que podem te ajudar, cada uma delas com suas peculiaridades. Dessa forma, é fundamental entender os modelos antes de escolher aquele em que você se sente mais confortável e que melhor se adapta às expectativas, recursos e dificuldades do projeto.

Para te ajudar a definir qual metodologia utilizar, trouxemos uma lista com as mais utilizadas:

  1. Prince 2

É um método baseado em processos de fato para o gerenciamento de projetos eficaz. Usado amplamente pelo governo do Reino Unido, o PRINCE2 também é amplamente reconhecido internacionalmente. Além disso, o método é de domínio público e oferece orientação de melhores práticas para o gerenciamento de projetos.

Para atingir os melhores resultados, este método conta com as seguintes métricas de controle:

 

 

O Prince 2 conta com 7 princípios orientadores que dão sentido à esta forma de gerenciamento:

  • Foco no produto
  • Gerenciamento por estágios
  • Gerenciamento por exceção
  • Papéis e responsabilidades definidos
  • Aprender com a experiência
  • Justificativa contínua do Negócio
  • Adequação ao ambiente do projeto.

 

  2. Pmbok

 

O PMBOK, apesar de não representar uma metodologia propriamente dita, é  fundamental para o gerenciamento de projetos e sua execução. O modelo foi elaborado pelo PMI e tem como objetivo ser um guia de boas práticas genérico para o gerenciamento de projetos, desse modo, pode ser adaptado aos mais variados projetos através de suas 10 áreas de interesse:

 

  • Gerenciamento do escopo
  • Gerenciamento de integração
  • Gerenciamento de custos
  • Gerenciamento de comunicações
  • Gerenciamento do tempo
  • Gerenciamento da qualidade
  • Gerenciamento de recursos humanos
  • Gerenciamento de riscos
  • Gerenciamento das aquisições
  • Stakeholders.

 

3. SCRUM

 

O SCRUM é, com certeza, uma das metodologias ágeis mais bem sucedidas para gerenciar projetos. O método constitui-se por um framework que tem por objetivo agilizar os processos e facilitar a comunicação entre todos os envolvidos no projeto. 

 O modelo ainda possibilita entregas contínuas durante o projeto, para facilitar a validação dos modelos por meio do Produto Mínimo Viável (MVP), visando atender à funcionalidade do modelo ante à sua versão final. Para isso, o modelo conta com a organização e divisão das tarefas à serem realizadas, organizado-as por ordem de importância para facilitar o trabalho da equipe.

As atividades podem ser divididas em Backlog e Sprints. No Backlog ficam armazenadas todas as atividades que deverão ser realizadas para a conclusão do projeto. Enquanto que no Sprint representa as atividades que deverão ser executadas durante o próximo período definido de tempo. 

Além disso, o Scrum divide a equipe de projetos em 3 funções:

 -Product Owner: Responsável por gerenciar as tarefas que deverão ser executadas (Backlog) e definir prioridades para a equipe de projetos (sprints).

-Scrum Master: Responsável por coordenar e facilitar o trabalho da equipe de projetos durante à execução dos sprints.

-Scrum Team: Representam a equipe de desenvolvedores envolvida no projeto e deve estar sempre conectada durante o desenvolvimento.

  4. PRODIP

O modelo foi desenvolvido pelo NEDIP (Nucleo de Desenvolvimento Integrado de Produtos), com base em metodologias ágeis, no PMBOK e na experiência adquirida nos projetos do grupo pertencente à UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina).

A metodologia PRODIP é indicada principalmente para gerenciar projetos grandes ou que envolvem a integração de áreas diferentes de conhecimento. O método conta com três macro etapas:

Planejamento: São definidos tecnologias, prazos e recursos a serem empregados durante o projeto.

Projetação: É realizada a etapa de desenvolvimento do projeto. São feitas pesquisas técnicas, desenvolvimento de modelos conceituais, cálculos estruturais e dimensionamento de sistemas e, por fim, é documentado como fabricar o projeto desenvolvido.

Implementação: Nesta etapa o projeto desenvolvido é testado em pequenos lotes para validação da produção e, então é levado ao mercado onde deverá ser acompanhado para que, através do feedback dos usuários, o produto se mantenha em evolução.

Cada uma das macro etapas pode ser divididas em micro etapas específicas, facilitando a execução, a identificação de problemas e falhas durante o projeto.

 

Gostou dessas dicas?

Quer Saber mais sobre a metodologia que a i9 utiliza?

 

Compartilhe esse post!