(48) 3721-7537 [email protected]

Nas últimas férias de verão tive a oportunidade de realizar um estágio de curta duração na Usina Hidrelétrica de Belo Monte no distrito de Vitória do Xingu no estado do Pará. A Usina de Belo Monte, após término da obra, será a terceira maior hidrelétrica do mundo, perdendo apenas para Três Gargantas na China e para a Binacional Itaipu.

Meu período de trabalho foi dividido em duas partes: uma no escritório responsável por todo o gerenciamento da obra e a outra acompanhando a equipe de comissionamento.

Na primeira etapa foi super interessante ver conceitos aprendidos dentro da i9 em uma perspectiva muito maior, levando em conta toda a dimensão do empreendimento e a quantidade de stakeholders envolvidos no projeto. A experiência ver de perto foi muito importante para entender melhor como funciona o gerenciamento com tamanha complexidade. Além de ser um momento de ambientação de como tudo funcionava lá, desde os consórcios que existiam e suas funções até entender todo as estruturas organizacionais que são necessárias para uma obra fluir da melhor maneira possível.

Já na segunda parte fui para campo junto da equipe de comissionamento. A equipe contava com 30 pessoas, nela estavam presentes engenheiros mecânicos, elétricos e de controle, além de técnicos em todas essas áreas. A principal função do comissionamento é garantir que os componentes estejam projetados, instalados e operados e mantidos de acordo com os requisitos operacionais. Ou seja a equipe de comissionamento é que é responsável por liberar os setores para operação, para que os mesmos realizem os primeiros testes em todo o sistema. Sempre que algo não passava pelo aval da nossa equipe realizávamos um relatório esclarecendo o que está errado e passávamos para equipe responsável pelos ajustes.

Nesta segunda etapa do estágio tive a oportunidade de passar por todas as etapas de funcionamento, desde que a abertura da comporta na montante, a saída da água na jusante, chegando até o sistema de desligamento de emergência da turbina. Percorrendo cada etapa vivenciei de fato problemas reais de engenharia com os quais nos deparávamos a todo momento, os quais devíamos encontrar os erros e gerar recomendações através dos relatórios. Inclusive, tive a oportunidade de acompanhar o teste da primeira máquina que sem dúvida foi a minha experiência mais marcante durante todo o estágio porque aquele momento significava que todos de alguma forma haviam contribuído para tudo aquilo.

Compartilhe esse post!